Como construir poderosos bíceps ao estilo Arnold

janeiro 9, 2015

Há poucas coisas na musculação que são mais desejáveis ​​que grandes braços musculosos. Na grande maioria das vezes, quando as pessoas pegam um halter pela primeira vez tentam realizar algum tipo de movimento de bíceps com ele.

Com o treinamento de braço você vai fazer melhores ganhos a longo prazo, se você se concentrar em simplesmente trabalhar os músculos, em vez de mover pesos máximos. Obviamente, como os braços ficam maiores também vai ficar mais forte e você vai ter que aumentar o seu peso de acordo. Você vai saber quando é hora de levantar os pesos mais pesados para seus braços.

Desde que seus braços entram em jogo com tantos exercícios para outras partes do corpo (ou seja, bíceps são trabalhados com todos os exercícios de remo e tríceps são trabalhados com todos os exercícios supinos). Em geral, você só precisa dedicar um dia de treinamento por semana ao trabalho direto de braço.

Um dos modelos de exercícios mais eficazes para a construção muscular nos braços está usando uma técnica de treinamento chamado “Posições de flexão”. O que basicamente significa treinar cada grupo muscular através da sua gama completa de movimento, começando com um exercício de movimento composto, passando em seguida a um exercício que força o músculo na posição totalmente estendida, e depois de terminar com um exercício que força os músculos na posição completamente contraída.

De fato, se você assistir ao filme Pumping Iron, você pode ver que Arnold Schwarzenegger usou este estilo de treinamento para seus treinamentos, e seu desenvolvimento dos braços era simplesmente incrível, mesmo para os padrões de hoje.

Para lhe dar um exemplo, aqui está um treino bíceps típico que Arnold Schwarzenegger usou para fazer:

Rosca direta — 5 X 10-12

Este é um exercício de gama média, como a maior parte da tensão no biceps é no meio da repetição.

rosca-direta-arnold

 

 

Rosca com Halteres no banco inclinado — 5 X 10-12

Este é um exercício posição esticada, como a maior parte da tensão no biceps é na parte inferior ou na posição totalmente esticada.

rosca-inclinada-halteres

 

Rosca Concentrada — 5 X 10-12

Este é um exercício de contração de pico como a maior parte da tensão no biceps é no topo do movimento quando os bíceps estão completamente contraídos.

rosca-concentrada

Você pode realmente sentir os músculos trabalhando quando incorpora todos os três tipos de movimento em seu treino.

O que comer antes de malhar

janeiro 9, 2015

O que comer antes de malhar.

Quem nunca teve dúvidas se deveria comer ou não antes de ir para a academia? Procurando a forma certa de me alimentar antes de uma aula aeróbica, achei uma matéria muito interessante no site do Terra. Bem extensa, mas muito útil. E resolvi fazer um resumo aqui pra vocês. Pra quem quiser, a matéria original está no link.

(Imagem: Pinterest)

A matéria é de Danielle Barg e as dicas são da nutricionista Paula Castilho, da clínica Sabor Integral Consultoria em Nutrição, de São Paulo.

Comer ou não?

Nada de ir pra academia de estômago vazio, hein! “Antes de malhar, o músculo precisa ter energia suficiente disponível para poder trabalhar com eficiência.” – explica a nutricionista. Se você não tiver essa energia, ao fazer esforço o corpo vai tirar essa energia dos músculos, e fazer com que sua atividade física tenha resultado contrário ao que você espera.

Posso fazer um banquete então, né?

Nada disso!  “Durante o processo digestivo, uma grande quantidade de sangue vai para o estômago. E ao treinar, braços e pernas também precisam ser irrigados. Esse desequilíbrio pode causar desconfortos, como tontura e queda no rendimento”.

Agora você vai ver exatamente o que comer, de acordo com o seu objetivo.

Alimentos que aceleram o metabolismo e a queima de gordurasão alimentostermogênicos, que levam a um gasto maior de energia, contribuindo para o emagrecimento. Alguns exemplos:

Os queridinhos.

Alimentos que ajudam a hidratar: ricos em vitamina c entre outros, também ricos em antioxidantes, que combatem os radicais livres e são fundamentais na produção de colágeno. Além da água, que ainda é a melhor forma de se manter hidratado, alguns exemplos:

Pra hidratar.

Alimentos que auxiliam o ganho de massa muscularalimentos fonte deproteína vegetal ou animalcreatina (responsável pelo aumento de força e resistência muscular), vitamina B12 (ajuda na diminuição dos níveis de gordura e na contração muscular) e ômega 3 (gordura benéfica que estimula a produção de hormônios, favorecendo o crescimento muscular), como:

“Vale lembrar que 70% por cento da massa muscular resulta da alimentação e do descanso, enquanto os outros 30% vêm dos exercícios de força”

Alimentos que previnem câimbras, dores ou outras lesões ligadas aos exercícios: ricos em potássio. Tais como:

Sem dor.

Alimentos que dão mais energia: os ricos em carboidratos (quando ingeridos são metabolizados até se transformarem em glicose, que é utilizada pelo organismo para a produção de energia). Exemplos:

"A dica é trocar o pão branco pelo integral. A pera, banana e couve também ajudam a dar energia."

HIPERTROFIA E PERDA DE GORDURA CORPORAL – TREINO + DIETA NATURAL DE BAIXO CARBOIDRATO – EXPERIÊNCIAS – PREPARAÇÃO 2014

janeiro 8, 2015

Aí estou eu com o corpo que apresentei nos recentes campeonatos internacionais de fisiculturismo natural, nos EUA, e que me rendeu a vitória e os títulos de campeã no INBA Forever Natural, em Las Vegas, e naCopa do Mundo – INBA World Cup 2013, em Hollywood/Los Angeles.

Claudia Vilaça – 51 anos – BRASIL
Campeonato internacional de fisiculturismo natural
INBA World Cup 2013
Primeiro Lugar
Hollywood, Los Angeles/USA
02/novembro/2013
INBA Natural Bodybuilding – BRAZIL
Claudia Vilaça – 51 anos – BRASIL
Campeonato internacional de fisiculturismo natural
INBA World Cup 2013
Primeiro Lugar
Hollywood, Los Angeles/USA
02/novembro/2013
INBA Natural Bodybuilding – BRAZIL
Claudia Vilaça (de vermelho) – 51 anos – BRASIL
Campeonato internacional de fisiculturismo natural
INBA World Cup 2013
Primeiro Lugar
Hollywood, Los Angeles/USA
02/novembro/2013
INBA Natural Bodybuilding – BRAZIL
De um ano para cá – desde que decidi atingir um nível de alta performance no fisiculturismo e me preparar para competir na categoria Figure e, para isso, concentrei esforços no ganho de massa muscular e no aumento de volume de coxas e glúteos, que eram as minhas grandes deficiências – o meu físico mudou bastante.
Para você ter uma idéia do desafio que impus a mim mesma, considere que em mais de quatro anos de treinamento (de 2009, quando comecei a praticar musculação, até 2012) eu não havia conseguido muitos progressos nos membros inferiores; veja só como eu era e compare com as fotos acima, tiradas durante o campeonato em Los Angeles.

Na época das fotos da calça branca e da azul (de 2009 a 2011), eu treinava musculação cinco dias por semana, tinha acompanhamento de um renomado nutricionista de São Paulo, seguia a dieta comum de atletas – cereais integrais, claras de ovos, carnes magras, tudo light e/ou adoçado artificialmente, evitando ao máximo a gordura dos alimentos – e tomava suplementos de proteínas, vitaminas e minerais.

Fácil perceber, pelas fotos, que apesar da minha disciplina nos treinos e na dieta, nada disso adiantou.

Eu continuava com as perninhas finas e a bundinha dura e pequena de sempre. Magrinha, ok, mas eu não tinha problemas de peso, queria era aumentar a massa muscular com qualidade, de maneira natural, sem usar drogas.
 
 
Então parei com tudo, com absolutamente tudo.
Zerei todos os suplementos, joguei fora os frascos de vitaminas, dei de presente os potes de whey protein, caseína, BCAA’s e passei a me alimentar apenas com comida de verdade: carne, peixe, frango, ovos inteiros, vegetais orgânicos e gorduras naturais.
Com isso, o terrível mal-estar desapareceu, levando com ele um cisto de 7 cm no ovário e mais outros menorzinhos.
A minha versão 2012 era seca como antes (ou talvez mais), baixíssimo percentual de gordura corporal, mas eu havia recuperado a saúde e a disposição.
 
No plano esportivo, o ano de 2013 tem sido integralmente dedicado ao meu projeto de atleta de competição, com foco no desenvolvimento harmonioso e simétrico do físico e trabalho intensivo de hipertrofia e definição dos membros inferiores.
Claudia Vilaça – 51 anos – 22/agosto/2013
Atleta – Categoria Grand Master FIGURE
Fisiculturismo Natural – BRASIL
INBA Natural Bodybuilding – BRAZIL
A evolução é lenta, mas constante. 
Veja a parte da frente das pernas na imagem de dezembro/2012 (logo acima, de short branco, treinando diante do espelho).
A foto anterior (de short roxo) e a que segue (de short pink) têm três semanas de intervalo. Observe o contorno das coxas.
Eu não volto para trás, o que para mim significa sucesso absoluto nas estratégias adotadas, já que para qualquer mulher de 51 anos o simples fato de NÃO PIORAR SIGNIFICA MELHORAR, concorda?
A grande conquista é que não apenas não pioro – como seria de se esperar por causa da idade, da proximidade da menopausa e, dizem alguns, também pela minha dieta “maluca” (muitas pessoas têm essa opinião) praticamente sem carboidratos, sem vitaminas sintéticas e sem suplementos -, como melhoro um pouquinho a cada dia.
Avante, então, porque existe muito a ser feito e 2014 já começou faz tempo!
Claudia Vilaça – 51 anos – 12/setembro/2013
Atleta – Categoria Grand Master FIGURE
Fisiculturismo Natural – BRASIL
INBA Natural Bodybuilding – BRAZIL
A foto acima é de poucos dias antes de viajar para a primeira etapa de campeonatos internacionais nos EUA, em setembro.
E abaixo, a minha evolução em um ano de treinamento de musculação para hipertrofia – SEM DROGAS -, em dieta 100% natural e orgânica de baixo carboidrato.
Passei o mês de outubro no Brasil e voltei para os EUA no começo de novembro, fechando a temporada de competições de 2013.
Claudia Vilaça – 51 anos – BRASIL
Campeonato internacional de fisiculturismo natural
 
INBA Natural Olympia 2013
San Diego, USA
08/novembro/2013
INBA Natural Bodybuilding – BRAZIL
As próximas disputas internacionais acontecem a partir de abril de 2014.
Decidi usar esses meses – de meados de novembro/2013 a março do ano que vem – para aperfeiçoar o conhecimento sobre o funcionamento do meu corpo, observando as respostas positivas e negativas em termos de técnicas de treinamento e de variações na dieta.
Um verdadeiro laboratório mesmo, experiências pessoais registradas nos mínimos detalhes em busca das condições ideais para hipertrofia (ganho de massa muscular) e definição (perda de gordura) AO MESMO TEMPO.
 
 
Mantendo as condições que favorecem a hipertrofia pelo AUMENTO DA PRODUÇÃO NATURAL de TESTOSTERONA e de GH – HORMÔNIO DO CRESCIMENTO -, quais sejam: treino intenso de musculação, períodos de jejum, descanso e sono adequados; consumo de gordura ou de, no máximo, gordura com um POUCO de proteína na refeição pós-treino sem carboidratos; alimentação natural (orgânica, sem produtos processados) com ingestão de quantidade moderada de proteínas, mais gorduras saturadas e colesterol; evitando-se leite e derivados, cafeína, chocolate, vinagre, álcool, fumo e outras drogas, além de stress e exposição aguda ao frio e a agentes tóxicos, como pesticidas e solventes; evitar também a utilização de embalagens plásticas e/ou de isopor, principalmente quando aquecidas; não ingerir açúcar de nenhum tipo, glúten, óleos refinados de sementes, cereais integrais (inclusive as fibras de cereais integrais) e leguminosas (soja, feijão e amendoim, por exemplo); não utilizar suplementos de proteínas e aminoácidos (whey protein, caseína, BCAA’s, etc) que provocam picos de insulina, as minhas experiências são as que seguem.
TREINO
* Musculação seis vezes por semana, com seis treinos diferentes na semana (A – B – C – D – E – F), dedicados a um ou dois grupos musculares por dia, alternando treinos de membros inferiores e de superiores (o que evita trabalhar de novo um músculo trabalhado na sessão anterior).
   NOTA: não faço exercícios aeróbicos. Ando na rua, subo escadas, passeio de bicicleta no parque, mas não considero essas atividades como treino.
* Experiência 1 – Usar técnicas diferentes de treinamento para membros superiores e para inferiores. 
Desde que iniciei a preparação para competir, no fim de 2012, notei uma diminuição de volume e densidade de ombros, braços e costas. Enquanto as pernas e os glúteos aumentavam, os superiores parece que encolhiam, já foram bem maiores e definidos nos meus primeiros tempos de musculação (lá longe, quando as pernas eram fininhas e não cresciam de jeito nenhum).
 
Refleti muito a respeito, tentando encontrar a explicação para esta questão: por que a diferença de resultados, se eu treinava os meus membros superiores e os inferiores da MESMA MANEIRA, com a MESMA FREQUÊNCIA e utilizando TÉCNICAS SEMELHANTES?
Na musculação é comum a gente ouvir que a pessoa tem “boa genética” para esta ou aquela parte do corpo (e este seria o motivo de se conseguir ótimos dorsais, por exemplo, e pernas ruins, em nítido desequilíbrio).
Eu não gosto dessas soluções fatalistas – é sorte, é genética -, soam simples demais e podem nos levar a aceitar o fracasso antes da luta de verdade começar.
A resposta, acredito, está na própria pergunta!
 
Como não percebi isso antes?!?!
 
Se o método é igual para as duas partes e os resultados são diferentes, talvez eu devesse usar técnicas diferentes para obter o mesmo nível de desenvolvimento.
Claudia Vilaça – dezembro/2010
Atleta – Categoria Grand Master FIGURE
Fisiculturismo Natural – BRASIL
INBA Natural Bodybuilding – BRAZIL
Pois quero de volta esses ombros e os braços da foto de 2010, sempre melhorando as pernas e os glúteos de 2013.
Pensando nisso, tenho treinado os membros superiores da forma como fazia anos atrás: usando cadência e isometria, poucas séries de cada exercício, carga pesada, intervalo grande entre as séries, SEMPRE ATÉ A FALHA e com MOVIMENTOS COMPLETOS, em ampla extensão.
Também treino assim as panturrilhas, que são um dos meus pontos mais fortes.
E para os membros inferiores – coxas e glúteos – faço um número maior de séries e mais exercícios para a mesma parte do corpo; ATÉ A FALHA também, quando possível, ou no limite da falha, que é aquele momento em que a gente consegue empurrar o leg press mais uma vez, mas não tem força para segurar na volta e acaba ficando entalada no aparelho. Ou no agachamento livre, a hora em que se agacha, mas não dá para subir e posicionar a barra com segurança no suporte. Aí paro, cronometro um minuto, e recomeço.
Contrariando a “lei” de não duplicar (ou repetir) exercícios em uma mesma sessão de treinamento, eu multiplico o esforço até sentir que consegui estimular o músculo em questão!
Desobedeço também outro dogma da musculação: o tempo da sessão. Fazendo um número maior de exercícios com cadência e isometria, além de variações de intensidade e, ainda, o intervalo grande entre as séries, o treino acaba ficando mais longo, com duração perto de uma hora e meia, em jejum.
* Experiência 2 – Sim, treino de musculação EM JEJUM.
Jejum total, apenas bebo água mineral durante a sessão, cerca de um litro e meio ou dois.
Isso é novidade, ok? Nem sempre foi assim.
 
O treino em jejum faz parte dos meus estudos sobre hipertrofia e perda de gordura em dieta cetogênica (alimentação de muito baixo carboidrato e gordura alta, o que leva o corpo a se adaptar e usar a gordura, em vez da glicose, como fonte de energia).
Considerando que jantei normalmente na noite anterior até as 22 horas, eu me levanto, trabalho durante a manhã e perto do meio-dia vou treinar, o que dá no mínimo 14 horas de jejum. Fico na academia entre uma hora e meia a duas horas. Volto para casa ou para o escritório e faço a primeira refeição do dia lá pelas 2 da tarde, interrompendo o jejum de 16 horas.
Às vezes prolongo o jejum, dependendo dos horários e compromissos do dia, mas é exceção.
E não sente fraqueza, Claudia? – você há de perguntar. – Hipoglicemia, pressão baixa, tontura?
Não, é incrível, sinto-me muito mais disposta treinando em jejum do que quando fazia uma refeição completa de manhã, cerca de duas horas antes do treino.
Na academia, naquele horário meio morto entre meio-dia e duas da tarde, eu sou a própria Ferrari turbinada devorando os pesos. Calma e concentrada, muito alerta, forte e completamente sem fome.
Porém, lembre-se que eu vivo há dois anos neste tipo de dieta e que o meu corpo está habituado a utilizar a gordura como “combustível”.
Outra novidade (que também faz parte das minhas experiências) é medir a concentração de corpos cetônicos em diferentes momentos do dia.
Na medição de cetonas de manhã cedo os meus números são sempre altos, acima de 3, o que significa que tenho muita energia em estoque e à disposição imediata, daí a idéia de treinar em jejum.
Outro fato interessante que percebi com relação ao treino em jejum foi arecuperação após as sessões intensas de musculação, muito mais rápida e eficiente agora.
O único problema é que no dia de descanso, normalmente o domingo, a falta do treino chega a me dar um bode, um desconforto, como se o corpo esperasse o mesmo nível de atividade dos outros seis dias e se ressentisse da paradeira.
Antes, no dia off, eu curtia a preguiça e as dores dos treinos da semana; atualmente fico inquieta com tanta energia represada, um bicho preso esperando alguém abrir uma fresta do portão para sair correndo.
DIETA
 
* Experiência 1 – JEJUM de 16 horas todos os dias, com refeições completas à base de gorduras, proteínas e vegetais concentradas no período de 8 horas, entre 14h00 e 22h00.
 
* Experiência 2Treino em jejum.
 
Conforme disse acima, o meu treino de musculação é realizado diariamente durante o período de 16 horas de jejum.
* Experiência 3O que é melhor para hipertrofia e perda de gordura: todas as refeições com o mesmo teor calórico? Primeira refeição (quebra do jejum) mais calórica, reduzindo-se ao longo do dia? Última refeição mais calórica para “segurar” o desgaste do próximo período de jejum?
Quantas refeições? Intervalo?
E com relação ao total de calorias e/ou de alimentos no dia?
O objetivo é estabelecer a quantidade ideal, aquela que me permita o máximo de hipertrofia e de perda de gordura corporalsimultaneamente, com o máximo de saciedade.
Ou seja, quero descobrir o tanto que posso comer para aumentar a massa muscular ao mesmo tempo em que seco a gordurinha teimosa das coxas, da barriga, essas…
Nem tão pouco que não me deixe crescer; nem demais, porque o excesso de comida pode atrapalhar os meus planos de definição.
Importante: devo fazer uma ou mais refeições muito calóricas de tempos em tempos para dar um “choque” no metabolismo? Em caso positivo, com que frequência e em que quantidades?
Experiência 4 – Determinar a proporção de gorduras versus[ proteínas + carboidratos ] na dieta. Mantenho o percentual alto que venho usando há quase dois anos? Aumento ainda mais as gorduras naturais? Reduzo?
Até quanto posso descer as gorduras sem perder o benefício da cetose constante?
Até quanto posso subir as gorduras e as proteínas na dieta de modo que o corpo ainda use a energia armazenada e não apenas a dos alimentos?
* Experiência 5Ingestão de sódio na dieta e na água: mais uma vez, estabelecer a quantidade ideal.
* Experiência 6Água. Quanto é o ótimo? Quanto é pouco? Quanto é demais?
 
 
As experiências referentes aos meus métodos de treinamento e à dieta estão em andamento. 
De algumas eu já tenho as respostas, coisas que tentei referentes à quantidade de sódio, por exemplo, ou ao teor calórico da primeira refeição após o jejum de 16 horas.
Sigo firme nos meus objetivos de HIPERTROFIA e DEFINIÇÃO.
Do meu lado, vou contando tudo aqui no blog, enquanto me preparo para representar o Brasil nos campeonatos internacionais de fisiculturismo natural de 2014.
Claudia Vilaça – 51 anos – BRASIL
Campeonato internacional de fisiculturismo natural
 
INBA World Cup 2013
Primeiro Lugar
Hollywood, Los Angeles/USA
02/novembro/2013
INBA Natural Bodybuilding – BRAZIL
Leia também:
 
 
 
 
 
AOS 50 ANOS, O DESAFIO: PARTICIPAR PELA PRIMEIRA VEZ DE UMA COMPETIÇÃO DE FISICULTURISMO



OBSERVAÇÃO 1: NÃO SOU NUTRICIONISTA nem tenho qualificação na área médica ou de Educação Física. Tudo o que comento neste blog é fruto da minha EXPERIÊNCIA PESSOAL e de aprendizado por conta própria. Se você se interessar pelo assunto, consulte um profissional especializado.
OBSERVAÇÃO 2: NÃO PRESCREVO DIETAS NEM TREINOS, NÃO PRESTO CONSULTORIAS POR MEIO DESTE BLOG, DE REDES SOCIAIS OU DE MENSAGENS PRIVADAS.

Enciclopédia Arnold Schwarzeneeger

julho 1, 2011

Enciclopédia Arnold Schwarzeneeger

Olá pessoal! Sempre ouvimos o conselho que devemos ficar de olho no pessoal mais experiente da academia, aqueles que já conseguiram desenvolver seus corpos, seja lá qual for o objetivo. Papai Arnold, como é conhecido, não fez nenhum filme sobre culturismo, não que eu conheça. Mas, escreveu um livro, onde ele fala da sua carreira e sobre treinamentos. Transcrevo para vocês a parte de treinamento. Espero que seja útil e que possamos aprender com este monstro do fisiculturismo.




Enciclopédia Arnold Schwarzeneeger

Princípios Básicos do Treino

Para se parecer com um culturista, precisa de treinar como um. Os atletas como os jogadores de futebol americano, lutadores de luta livre e levantadores de peso possuem grande massa muscular; mas apenas os culturistas possuem os corpos musculados, bem torneados, proporcionais e completamente desenvolvidos que associamos com competições de físico. Se você se quiser parecer com um culturista – ou simplesmente ficar mais parecido com um culturista do que atualmente é – precisa aprender e dominar as técnicas de treino que os culturistas desenvolveram na base de tentativa e erro durante os últimos 50 anos aproximadamente. Da mesma forma que existem técnicas específicas envolvidas no golpe de uma bola de tênis ou no manejo de um taco de golfe, há também uma forma de realizar o treino de culturismo que é a forma mais eficiente e eficaz possível de treino muscular.

É necessário um trabalho árduo e dedicado para desenvolver um grande físico; mas trabalho árduo sozinho não é suficiente. Além de treinar duro, é preciso treinar de forma inteligente, o que significa dominar os princípios

fundamentais do culturismo. Esses princípios devem ser aprendidos e praticados desde o início. E muito mais fácil aprender a maneira apropriada de fazer alguma coisa do que desaprender a forma errada e ter de começar

novamente.

• Necessidades Individuais

• Resistência Progressiva

• Repetições

• Treinar até à falha

• Séries

• Amplitude de Movimento Completa

• A Qualidade da Contração

• Aquecimento

• Treino de Potência

• Dias Pesados

• Supertreino e Recuperação

• Descanso entre Séries

• Respiração

• Alongamento

NECESSIDADES INDIVIDUAIS

Naturalmente, pessoas diferentes possuem muitas razões diferentes para realizar treino de culturismo. Algumas querem desenvolver seus corpos apenas para melhorar a aparência e se sentirem melhor; outras desejam melhorar seu desempenho em uma variedade de desportos; e muitas estão interessadas em desenvolver um físico espectacular, altamente musculoso e bem definido com o objetivo de participarem de competições de culturismo.

Quando se trata de aprender a praticar o culturismo de forma apropriada, algumas técnicas e princípios básicos aplicam-se a todas as pessoas; outros devem ser adaptados às necessidades do indivíduo, muitas vezes na base da tentativa e erro durante um período de tempo. Todas as pessoas, independentemente do motivo por que estão praticando culturismo, precisam dominar os fundamentos e compreender o que está envolvido na formação de um programa de treino. E o mais importante, todas precisam aprender os exercícios básicos, porque eles continuam sendo importantes, não importa o quanto você progrida.

Mas reconheço que nem todas as pessoas são iguais. O tipo corporal, a rapidez ou lentidão com que uma pessoa ganha músculo, o índice metabólico, os pontos fracos e o tempo de recuperação são apenas alguns dos aspectos que podem variar de um indivíduo para outro. Tentei abranger todas as variáveis significativas nesta enciclopédia de forma que todos encontrem as informações de que necessitam para desenvolver o tipo de corpo que desejam.

No golfe, muitos campeões não têm o mesmo manejo do taco que Tiger Woods, mas todo golpe certeiro tem que fazer a face plana do taco tocar a bola no alinhamento certo. Nem todo esquiador adota exatamente o mesmo estilo que o medalha de ouro nas Olimpíadas, Hermann "O Hermannador" Maier, mas certos fundamentos devem ser executados, ou você nunca chegará ao fim da corrida. Quando você entra em uma academia cheia de culturistas competidores, pode ver que muitos deles utilizam abordagens muito diferentes em seus treinos. Na academia, ouço o tempo todo a frase, "Cada corpo é diferente", e é verdade. Mas cada corpo é também muito semelhante, portanto, concentre-se em dominar as orientações básicas e deixe seu corpo dizer-lhe com o tempo quais variações e técnicas individuais são necessárias para que você perceba seu potencial.

RESISTÊNCIA PROGRESSIVA

Seus músculos somente se desenvolverão quando forem submetidos a uma sobrecarga. Eles não responderão a nada menor; não ficarão maiores nem mais fortes a menos que você os force a ficar. Fazer com que se contraiam contra um nível de resistência ao qual não estão acostumados, eventualmente, faz com que se adaptem e se fortaleçam. Mas, uma vez adaptados suficientemente, esse progresso cessará. Quando isso acontece, a única maneira de fazer com que continuem se desenvolvendo é aumentando ainda mais a quantidade de sobrecarga a qual você os sujeita; e a principal forma de fazer isso é adicionar peso aos seus exercícios. Obviamente, esse aumento em resistência deve ser efetuado de forma gradual. Utilizar peso em excesso muito cedo geralmente impossibilita que você realize suas séries utilizando a técnica apropriada e também pode, muitas vezes, aumentar seu risco de lesões.

REPETIÇÕES

Uma repetição é um ciclo completo de um movimento de exercício – uma contração do músculo seguida por uma extensão – isto é, levantar um peso e baixá-lo novamente. Uma série é um grupo dessas repetições. A quantidade de repetições que você inclui em uma série depende, em grande parte, do tipo de série que você está realizando. Por exemplo, tanto a pesquisa como a experiência mostraram que os culturistas obtêm os melhores resultados utilizando, em cada exercício, um peso que represente cerca de 70 a 75% de suas repetições máximas (1 RM) – isto é, a quantidade de peso que conseguem utilizar realizando uma repetição completa de um determinado exercício. Se você utilizar essa quantidade de peso, geralmente descobrirá que pode realizar as seguintes séries:

  • · 8 a 12 repetições para os músculos da parte superior do corpo; 12 a 16 repetições para os grandes músculos da perna.

Esses números são apenas aproximações, mas funcionam bem como orientações gerais.

Por que você consegue realizar mais repetições para as pernas do que para a parte superior do corpo?

Simplesmente porque a diminuição em força durante a realização de uma série é mais lenta nas pernas do que na parte superior do corpo – os músculos da parte superior do corpo simplesmente não têm o mesmo tipo de resistência que os músculos da perna. Mas, em ambos os casos, a quantidade de peso utilizada representa os mesmos 70 a 75% da capacidade de uma repetição máxima dos músculos envolvidos.

Ocasionalmente, existem razões para utilizar menos peso do que isso (e assim realizar mais repetições) e alguns tipos de séries muito úteis que envolvem um peso maior (e menos repetições), tais como séries de baixas repetições para força e potência máximas. Mas essas orientações representam a maior parte do treino que os culturistas realizam – e isso vale especialmente para os principiantes.

TREINAR ATÉ A FALHA

Treinar até a falha no culturismo não significa treinar até um ponto de completa exaustão: significa simplesmente continuar uma série até você não conseguir realizar nem mais uma repetição com aquele peso sem parar para descansar. O que causa essa falha? Basicamente, ela resulta da fadiga gradual das fibras musculares envolvidas e da incapacidade do músculo de recrutar mais fibras para substituí-las. O processo de contração de um músculo envolve o processo de oxidação – de fato, uma forma de queima, motivo pelo qual dizemos que você queima calorias (produz calor pela liberação de energia) quando se exercita. A oxidação requer uma fonte de combustível (no músculo, é a ATP) e oxigênio. Sempre que o suprimento de combustível ou oxigênio estiver muito baixo, as fibras musculares não conseguirão contrair-se até que sejam reabastecidas quando você descansa e se recupera.

Outro fator limitante é a formação de resíduos que resultam da liberação de energia devida à contração muscular. Aquela sensação de queima que você sente em um músculo à medida que continua realizando repetições é devida ao acumulado de ácido láctico na área. Quando pára para descansar, o corpo remove o ácido láctico da área, e você é capaz de realizar mais repetições.

O exercício aeróbico (que significa com oxigênio) envolve um esforço de altas repetições em uma intensidade suficientemente baixa de forma que o corpo possa bombear sangue suficiente para a área para manter o músculo suprido – correr uma maratona, por exemplo, ou uma aula de aeróbica. O treino de peso é anaeróbico (sem oxigênio), e a contração muscular envolvida é simplesmente intensa demais para que o suprimento de oxigênio mantenha o ritmo. Assim, os músculos ficam sem oxigênio, você cansa e tem que descansar enquanto o corpo bombeia mais sangue e oxigênio para a área fatigada. Por que é importante treinar até a falha? Quando você está realizando repetições com um peso abaixo da sua 1-RM, nem todas as fibras musculares disponíveis começam a agir de uma só vez. Você usa algumas, elas ficam fatigadas, e o corpo recruta outras para substituí-las. Continuar uma série a falha é uma forma de exigir que todas as fibras disponíveis sejam recrutadas, i ponto em que a falha ocorre depende do peso que você utiliza em um determinado exercício. Se estiver realizando um exercício para a parte superior do corpo e quiser que os músculos falhem entre 8 e 12 repetições, você tem que escolher um peso que faça com que isso ocorra.

Se você acha que é capaz de realizar 15 repetições nesse movimento, adicione peso à série seguinte trazer o ponto de falha para dentro da faixa desejada. Se consegue realizar somente cinco repetições, sabe que precisa diminuir levemente o peso a fim de poder realizar mais algumas repetições antes que os músculos falhem. Mas nunca pare uma série simplesmente porque terminou de contar um certo número de repetições.

Uma das formas de medir seu progresso no culturismo é a mudança no ponto em que ocorre a falha durante seu treino. À medida que as fibras musculares individuais se fortalecem, você é capaz de recrutar mais fibras, e o corpo aumenta sua capacidade de transportar oxigênio para os músculos durante o exercício (todos os componentes do efeito geral de treino). Como resultado, você descobrirá que pode realizar muito mais repetições com o me peso antes de alcançar o ponto de falha. Esse é um sinal de que precisa utilizar mais peso.

Obviamente, você não é uma máquina, portanto, a forma que efetivamente realiza suas séries não é tão mecânica. Algumas séries precisam ser mais exigentes e mais intensas do que outras. Esta, por exemplo, é uma série para a parte superior do corpo típica para um culturista experiente:

PRIMEIRA SÉRIE: Uma série de aquecimento com um peso mais leve; 15 repetições ou um pouco mais.

SEGUNDA SÉRIE: Adicione peso a fim de que os músculos falhem entre cerca de 10 e 12 repetições.

TERCEIRA SÉRIE: Adicione peso para baixar o ponto de falha para 8 a 10 repetições.

QUARTA SÉRIE: Para força máxima, adicione peso suficiente a fim de que os músculos falhem após apenas

seis repetições (série de potência).

QUINTA SÉRIE OPCIONAL: Utilize o mesmo peso, tente conseguir outras seis repetições; se necessário, peça a ajuda de um parceiro de treino para completar a série (repetições forçadas).

Treinar dessa forma possibilita-lhe o melhor de todos os aspectos possíveis: você começa relativamente leve, o que dá aos músculos tempo para aquecerem-se completamente para esse exercício particular; continua realizando cada vez menos repetições com um peso maior, o que força um grande volume de sangue para dentro dos músculos e proporciona-lhe um grande bombeamento; adiciona mais peso de forma a treinar relativamente pesado para desenvolver potência e força.

SÉRIES

Geralmente, no Programa de Treino Básico, recomendo realizar quatro séries de cada exercício de culturismo, exceto quando há outra quantidade especificada. Acredito que este seja o melhor sistema por várias razões:

1. Você precisa realizar pelo menos quatro séries a fim de ter o volume de treino necessário para estimular completamente todas as fibras musculares disponíveis. Se realizar mais séries por exercício, seu volume total de treino será tão grande que você corre o risco de super treino.

2. Realizar quatro séries por exercício, para um total de 12 séries por região corporal (para os grupos musculares maiores) no Programa de Treino Básico e 20 séries no Treino Avançado, possibilita-lhe realizar uma variedade suficiente de exercícios para trabalhar todas as áreas de uma região corporal – dorsal e lombar, por exemplo, a curva externa do grande dorsal e a região interna das costas.

3. A experiência de cinco décadas de culturistas provou que a quantidade máxima de peso que você pode manejar e que lhe permite completar apenas quatro séries de um exercício estimulará os músculos e fará com que se desenvolvam.

Há uma diferença na quantidade de treino que os músculos pequenos requerem comparada a de músculos ou grupos musculares grandes. Por exemplo, se eu estiver treinando as costas, isso não envolve apenas um músculo – há vários músculos diferentes nas costas – tais como o grande dorsal, o rombóide, o trapézio, os eretores da espinha da região dorsal – e cada uma dessas áreas tem de ser treinada especificamente. O mesmo vale para as coxas. As coxas consistem de quatro músculos potentes do quadríceps, bem como os adutores no interior da parte superior da perna. Para treinar completamente essa área, você precisa de movimentos de potência e isolamento; tem que alcançar as diferentes regiões em diferentes ângulos; e você não vai realizar isso com apenas poucas séries.

Por outro lado, no treino de músculos menores como o bíceps e o tríceps, é necessário um total menor de séries, porque aqueles músculos não são tão complexos. Você pode ter um treino completo de bíceps realizando um total aproximado de 9 a 12 séries, por exemplo, enquanto que a maioria dos culturistas costuma realizar 16 a 20 séries totais para trabalhar as coxas. O deltóide posterior é um músculo ainda menor, e geralmente 4 a 5 séries para a região posterior do deltóide são suficientes. Contudo, a fisiologia muscular também entra em ação. O bíceps é o músculo que se recupera mais rápido; assim, se preferir treiná-lo utilizando séries mais altas (como sempre fiz), ele ainda é capaz de recuperar-se. E os músculos dos gêmeos, que são relativamente pequenos, foram designados para realizar praticamente inúmeras repetições quando você caminha ou corre, assim você pode obter grandes resultados treinando — os com um número de séries relativamente alto.

Mas não se preocupe tentando lembrar-se exatamente de qual músculo deve ser treinado com qual quantidade de séries sem hesitar. Levei tudo isso em consideração nas recomendações do programa de exercícios que aparecem nos próximos capítulos.

AMPLITUDE DE MOVIMENTO COMPLETA

Para melhores resultados, os exercícios de culturismo devem trabalhar qualquer músculo na sua amplitude de movimento mais extensa possível. (Há algumas exceções específicas sobre as quais falarei posteriormente).

Você deve cuidar para alongar até a extensão completa e depois retornar até uma posição de contração completa. Essa é a única forma de estimular o músculo inteiro e cada fibra muscular possível. Portanto, quando sugiro que realize 8, 10 ou mais repetições, em cada caso estou assumindo que você realizará repetições com amplitude de movimento completa.

A QUALIDADE DA CONTRAÇÃO

O culturismo ocupa-se do treino dos músculos, não do levantamento de pesos. Você utiliza os pesos e as técnicas apropriadas a fim de atingir certos músculos ou grupos musculares. Os pesos são apenas meios para um fim. Para fazer isso efetivamente, você tem de isolar os músculos que está objetivando. Lembra-se de quantas vezes disseram-lhe para levantar algo com as pernas e não com as costas? Essa técnica põe em movimento, deliberadamente, o maior número de músculos possível para protegê-lo contra lesões. Isso faz sentido se você for um carregador de mudanças ou um operário da construção. Mas o trabalho do culturista é muito diferente. Você não quer tornar o levantamento mais fácil, e sim mais difícil! Você quer que os músculos que você objetivou realizem todo o trabalho com pouco ou nenhum auxílio de outros grupos musculares. Uma boa técnica ajuda-o a fazer isso e a escolher a quantidade certa de peso. Uma vez que esteja utilizando um peso muito grande para os músculos almejados manejarem, seu corpo automaticamente colocará outros músculos em movimento. É assim que o sistema nervoso é designado. Assim, o fato de você conseguir levantar um peso não significa que está executando o exercício corretamente. Você precisa também escolher um peso que garanta que os músculos almejados sozinhos sejam responsáveis por levantá-lo.

Como fazer isso? Uma forma é começar levantando pesos leves e concentrar-se em como os músculos comportam-se durante o movimento. Aumente gradualmente o peso; mas, se chegar em um ponto em que não puder mais sentir os músculos trabalhando como estavam quando o peso era mais leve, há hipóteses de estar a trabalhar muito pesado, e, nesse caso, precisa diminuir alguns quilos até que aquela "sensação" seja restabelecida.

AQUECIMENTO

Geralmente quando as pessoas falam sobre aquecimento, elas não entendem o quão literalmente isso deve ser considerado. Lembre-se: a oxidação no músculo é, na realidade, uma forma de queima. Por causa disso, quando você usa um músculo, a temperatura na área eleva-se, e a capacidade do músculo de contrair-se vigorosamente aumenta.

O aquecimento também bombeia sangue novo e oxigenado para a área, eleva a pressão arterial e aumenta a frequência cardíaca. Isso possibilita um suprimento máximo de oxigênio para o corpo e ajuda a eliminar os resíduos do exercício dos músculos em funcionamento.

Finalmente, aquecer-se adequadamente ajuda a proteger o corpo de um super stress, prepara-o para as demandas do treino pesado e reduz a hipótese de lesões, tais como uma torção ou tensão.

Há várias formas de aquecimento. Alguns realizam uma sessão curta de treino cardiovascular antes dos exercícios (esteira, bicicleta ergométrica, corrida, etc.), o suficiente para estimular o coração, mas não o bastante para esgotar a energia corporal. A calistenia e outros exercícios leves também servem de aquecimento sem submeter o corpo a um grande stress. Mas o método mais popular de aquecimento é com os próprios pesos. Primeiro, leve algum tempo alongando e depois realize alguns movimentos moderadamente leves com uma barra ou halteres, atingindo uma região corporal por vez até que o corpo esteja pronto para algo mais árduo.

Assim, para cada exercício diferente durante sua sessão, comece com uma série de aquecimento leve a fim de deixar aqueles músculos específicos prontos para realizar aquele movimento específico. Quando você realiza uma ou duas séries com repetições mais altas e peso abaixo do máximo, os músculos são então preparados para lidar com uma intensidade mais alta gerada por pesos maiores e séries de seis repetições.

O aquecimento é ainda mais importante antes de sessões de treino pesadas, porque você está prestes a submeter o corpo a um stress ainda maior. A melhor idéia é não realizar movimentos muito pesados até que o corpo engrene, realizando primeiro as séries de culturismo menos stressantes.

O período do dia é também um fator determinante da intensidade de aquecimento de que você necessita. Se estiver treinando às 8 horas da manhã é provável que esteja mais tenso e precisando mais de alongamento e aquecimento do que às 8 horas da noite, portanto, ajuste seus preliminares adequadamente.

Procure sempre fazer um aquecimento completo. Se estiver prestes a realizar pressões de ombros pesadas, por exemplo, lembre-se de que envolverá não só os deltóides e o tríceps. Os músculos do pescoço e o trapézio também irão contrair-se intensamente durante o movimento, e, da mesma forma, deve-se dar tempo a eles para se prepararem.

As lesões na academia geralmente acontecem por duas razões principais:

ou a pessoa utilizou uma técnica desleixada (utilizou peso em excesso ou não conseguiu manter o peso totalmente sob controle) ou não alongou e aqueceu corretamente.

Devo também salientar o efeito da idade sobre a capacidade física e atlética. É sabido por todos que, quanto mais velho você é, mais importante é proteger o corpo com aquecimentos e alongamentos. Atletas jovens podem fazer coisas que competidores mais velhos não conseguem. Não obstante, aprender técnicas apropriadas, alongar e aquecer-se faz bem para todos os culturistas, independentemente da idade; e quanto mais cedo você fizer disso um hábito para toda a vida, em melhor situação estará na longa caminhada.

TREINO DE POTÊNCIA

Há várias maneiras de avaliar força. Se eu consigo levantar 136 kg, e você somente 113 kg, sou mais forte do que você em força de uma repetição. Contudo, se você consegue levantar 113 kg 10 vezes e eu levantar esse peso apenas 8 vezes, esse é um tipo de força diferente: você estaria superando-me em resistência muscular – a capacidade de continuar sendo forte ao longo de uma série de movimentos.

Para modelar e desenvolver o corpo, é necessário realizar bastante treino de resistência – isto é, o número apropriado de séries e repetições. Mas também acredito que, a menos que você inclua treino de força de baixa repetição, nunca alcançará a rigidez e a densidade necessárias para criar um físico de primeira qualidade.

Na época de John Grimek, Clancy Ross e Reg Park, praticamente todos os culturistas treinavam para desenvolver potência. Ser forte era considerado tão importante quanto ter um físico bonito. Mas tenha em mente que existiam naquela época e existem hoje diferentes tipos de força. O lendário Jack La Lanne nunca poderia competir com um Reg Park em uma competição de força de uma repetição, mas Jack poderia continuar realizando flexões de braço na barra fixa e apoios nas paralelas, para cima e para baixo sem parar, até muito além do ponto em que os maiores homens da Muscle Beach desmoronavam de fadiga.

Embora os culturistas dos anos 40 e 50 geralmente não tivessem o refinamento total que os culturistas de elite possuem hoje, eles eram indivíduos com físicos extremamente fortes, rígidos e impressionantes. Nos anos 80, tive a impressão de que as coisas passaram dos limites, e os culturistas não estavam levando em conta os benefícios de incluir movimentos tradicionais em seus programas gerais. Hoje em dia, com tantos competidores pesando sólidos 104, 109 kg ou mais, participando de shows profissionais parece ter havido uma redescoberta

do treino de potência pesado. Certamente você não conseguirá ficar tão denso e massivo como Dorian Yates sem trabalhar com muitos pesos alucinantemente pesados.

"Se você não realiza levantamentos pesados", explica meu amigo Dr. Franco Columbu, "isso aparece imediatamente no palco. Há uma aparência frágil que se mostra claramente." Existem provas científicas e fisiológicas suficientes que explicam por que isso é assim. O treino de potência submete relativamente poucas fibras por vez a uma tensão muito grande, fazendo com que aumentem e engrossem (hipertrofia), e elas também ficam mais compactadas. Isso contribui enormemente para aquela aparência rígida e densa dos primeiros campeões.

Incluir algumas séries de potência em seu programa também ajuda a deixá-lo mais forte pelo restante do seu treino. Você passará a utilizar pesos mais pesados mais rapidamente, e assim seus músculos irão desenvolver-se muito mais rápido. Isso também enrijece e fortalece os tendões e os músculos, e você estará bem menos susceptível a extenuá-los ao realizar treino de alta repetição com menos peso, mesmo se perder a concentração em algum momento e manejar os pesos com uma técnica inadequada.

O treino pesado fortalece a ligação do tendão ao osso. A separação entre o tendão e o osso é chamada de fratura de avulsão, e o tipo certo de treino de potência minimiza a possibilidade de isso ocorrer.

Tamanho e densidade muscular criados por um programa que inclua treino pesado são mais fáceis de manter por longos períodos de tempo mesmo com um mínimo de treino de manutenção. Com apenas treino de alta repetição, boa parte do crescimento é resultado de fatores transitórios como retenção de líquidos e reserva de glicogênio; mas deixar o músculo tão duro como uma parede de granito por meio de treino de potência é resultado de um aumento real no tamanho das fibras musculares Além disso, conforme Franco me disse, as próprias paredes da célula muscular ficam mais grossas e rígidas, assim elas tendem a resistir ao encolhimento. Além de tudo isso, quando você realiza treino de potência, descobre o que o corpo pode realmente fazer, a quantidade de peso que pode realmente mover, e isso lhe dá uma vantagem mental sobre alguém que nunca realiza treino de potência.

Os culturistas modernos necessitam dominar várias técnicas sofisticadas, mas você não pode se esquecer de que a base do culturismo é desenvolver ver massa muscular levantando pesos pesados. Isso não significa que eu acredito to que os culturistas devem treinar como levantadores de peso. Recomendo um programa de desenvolvimento total que inclua um certo número de movimentos de potência para lhe dar a vantagem de ambos os tipos de treino.

.

Os braços de Chris Cormier são tão potentes que ele é capaz de realizar extensões de tríceps como um exercício de potência.








DIAS PESADOS

Quando eu (A. Schwarzenegger) era um jovem culturista recém começando, costumava realizar bastante levantamento de potência (levantamento de potência é uma forma de levantamento de peso que envolve três levantamentos específicos: supino, agachamento e levantamento terra). Conforme eu progredia no desporto, vencendo competições em níveis cada vez mais altos, tinha de me concentrar cada vez mais esculpindo um físico completo, equilibrado e de qualidade; pois quanto mais longe você chega no culturismo, maior a qualidade das suas competições. Lembre-se de que nos níveis mais altos de qualquer desporto, todos têm muito talento: foi isso que os fez chegarem lá. Portanto, confiar no talento ou na genética pura não funcionará nos níveis de elite de competição. Por exemplo, quando você chega ao nível do Mister Universo ou Mister Olímpia, os juízes olham mais para o que você não tem do que para o que você tem, atendo-se aos seus pontos fracos; portanto, ter um físico o mais completo possível passa a ser essencial.

No meu caso, isso significou realizar uma proporção maior de treino de isolamento de repetições mais altas, certificando-me de esculpir cada músculo e atingir a maior quantidade de definição e separação possível. Mas eu nunca quis perder a espessura, a densidade e a rigidez básicas que meu treino de levantamento de potência anterior havia criado. É por isso que sempre programei "dias pesados" na minha rotina de treino. Uma vez por semana, mais ou menos, eu escolhia uma região do corpo e ia ao máximo com movimentos de força que trabalhassem aquela área. Quando treinava pernas, por exemplo, tentava conseguir um agachamento máximo;

         para o peito, um supino de força máxima; e assim por diante. Treinando dessa forma, eu não exigia tanto do meu corpo a ponto de não poder recuperar-se antes da próxima sessão de exercícios. Mas indo até o máximo regularmente, obtive uma percepção muito precisa do quanto de progresso eu estava fazendo no desenvolvimento da força; e forçando-me a ir ao limite de vez em quando, contrabalancei o treino de pesos mais leves e repetições mais altas que constituiu a maioria das minhas sessões. Recomendo que você experimente a mesma coisa. Uma ou duas vezes por semana, escolha uma parte do corpo e teste sua força máxima. Peça ao seu parceiro de treino que fique ao seu lado observando-o para que você não fique ansioso com o fato de estar manejando um peso pesado. Alongue e aqueça primeiro para preparar o corpo para o esforço. Tome nota das suas quantidades de peso no seu diário de treino. Você sentirá uma grande satisfação vendo os números subirem à medida que fica mais forte. Sua capacidade de manejar pesos pesados também contribuirá enormemente para aumentar sua confiança e seu comprometimento mental com o treino.

SUPERTREINO E RECUPERAÇÃO

Remadas pesadas com barra em T são o melhor exercício de potência para as costas Quanto mais intensamente você trabalha o corpo, mais tempo ele leva

para se recuperar desse treino.

Descanso e recuperação são muito importantes; porque, embora você estimule o desenvolvimento pelo treino, é durante o período subseqüente que ocorre o verdadeiro desenvolvimento e a adaptação. É por isso que os culturistas frequentemente superam dificuldades descansando mais em vez de treinarem mais duro ou com mais frequência.

O supertreino ocorre quando você trabalha um músculo com freqüência demais para permitir que ele se recupere totalmente. Você ouve culturistas falando sobre destruir o músculo e depois deixá-lo reconstruir-se sozinho, mas isso, na verdade, não é fisiologicamente exato. Pode haver pequenos danos no tecido durante um exercício pesado, e são esses micro danos que estão associados com sensibilidade muscular residual. Mas a sensibilidade é um efeito colateral e não a razão principal de os músculos necessitarem de tempo para se recuperarem após exercícios pesados.

Alguns processos biomecânicos complexos acompanham a contração muscular vigorosa. O processo de abastecimento da contração muscular resulta na formação de resíduos tóxicos como o ácido láctico; e, durante o exercício, a energia armazenada no músculo na forma de glicogênio é consumida.

O corpo requer tempo para restaurar o equilíbrio químico das células musculares, eliminar os resíduos e reabastecer os depósitos de glicogênio esvaziados. Mas outro fator é ainda mais importante: as células precisam de tempo para se adaptar ao estímulo do exercício e se desenvolverem; afinal, o culturismo ocupa-se de fazer os músculos se desenvolverem. Assim, se você supertreinar um músculo, forçando-o a trabalhar duro e rápido demais após a sessão de exercícios precedente, não lhe dará uma chance de se desenvolver, e seu progresso será mais lento.

Músculos diferentes recuperam-se do exercício em ritmos diferentes. Conforme mencionei, o bíceps é o que se recupera mais rapidamente. Os músculos da região lombar são os que se recuperam mais lentamente, levando cerca de 100 horas para recuperarem-se completamente de uma sessão de exercícios pesada. Contudo, na maioria dos casos, dar a uma região corporal 48 horas de descanso é o suficiente, o que significa falhar um dia depois de treinar um músculo antes de treiná-lo novamente.

O treino básico envolve somente níveis médios de intensidade, portanto, o tempo necessário para recuperação é mais curto. Uma vez que você passe para um treino mais avançado, níveis de intensidade mais altos serão necessários para superar a maior resistência do corpo para mudar e desenvolver-se. Entretanto, há outro fator importante: os músculos treinados recuperam-se da fadiga mais rapidamente do que os músculos destreinados.

Assim, quanto melhor você se sair no culturismo, mais rápido será seu ritmo de recuperação e mais intenso pode ficar seu programa de treino.

DESCANSO ENTRE SÉRIES

É importante controlar adequadamente o seu ritmo durante uma sessão de exercícios. Se você tenta treinar rápido demais, corre o risco de uma falha cardiovascular antes de ter trabalhado suficientemente os músculos.

Além disso, você pode ter uma tendência a ficar descuidado e começar a jogar os pesos em volta em vez de executar cada movimento corretamente. Entretanto, treinar muito devagar também é ruim. Se você leva 5 minutos entre cada série, sua frequência cardíaca diminui, você perde seu bombeamento, os músculos esfriam e o seu nível de intensidade cai a zero.

Tente controlar seus períodos de descanso entre séries em um minuto ou menos. No primeiro minuto após um exercício de treino de força, você recupera 72% da sua força e, em 3 minutos, recupera tudo que tem para recuperar sem descanso prolongado. Mas lembre-se de que o propósito desse treino é estimular e fatigar a quantidade máxima de fibras musculares possível, e isso acontece somente quando o corpo é forçado a recrutar fibras musculares adicionais para substituírem as que já estão fatigadas. Portanto, você não quer possibilitar que os músculos se restabeleçam demais entre séries — apenas o suficiente para serem capazes de continuar a sessão e continuar forçando o corpo para recrutar cada vez mais tecido muscular.

Há outro fato a considerar: os fisiologistas há muito tempo perceberam a ligação entre força muscular máxima e resistência muscular. Quanto mais forte você é, mais vezes pode levantar um volume submáximo de peso.

Isso significa que, quanto mais você se estimula a desenvolver resistência muscular (em oposição à cardiovascular), mais forte você fica. Assim, manter um ritmo regular em seu treino realmente leva a um aumento em força geral.

Respiração

Fico surpreso com a frequência com que me perguntam como se deve respirar

durante um exercício. Isso sempre me pareceu automático e muitas vezes fico tentado a dizer, apenas relaxe e deixe acontecer. Não pense sobre isso.

Mas hoje eu sei que, para algumas pessoas, isso não funciona muito bem e para elas tenho uma regra simples:

  • expire com o esforço. Por exemplo, se estiver realizando um agachamento, inspire enquanto coloca o peso sobre os ombros e agacha, e expire enquanto se impulsiona de volta para cima.

Há uma boa razão para isso. Contrações muito duras dos músculos geralmente envolvem também uma contração do diafragma, especialmente quando você está executando qualquer tipo de movimento de pressão de pernas ou agachamento. Isso aumenta a pressão na cavidade torácica (o espaço em que os pulmões estão instalados). Se tentar prender a respiração, você pode lesionar-se. Por exemplo, pode ferir a epiglote, bloqueando a passagem de ar pela garganta. Expirar enquanto realiza um esforço máximo protege-o disso e, segundo a opinião de algumas pessoas, realmente deixa-lhe um pouco mais forte.

ALONGAMENTO

O alongamento é uma das áreas mais menosprezadas do treino. Se você observar um leão ao acordar de uma soneca e levantar-se, verá que ele imediatamente alonga todo o corpo em todo o seu comprimento, preparando cada músculo, tendão e ligamento para uma ação imediata e brutal. O leão sabe instintivamente que o alongamento prepara sua força.

As estruturas do músculo, do tendão, do ligamento e da articulação são flexíveis. Elas podem enrijecer-se, limitando a amplitude de movimento, ou podem alongar-se, possibilitando uma amplitude de movimento maior e a capacidade de contrair fibras musculares adicionais. É por isso que alongar antes de treinar permite que você treine mais duro.

O alongamento também torna seu treino mais seguro. Ao estender os músculos completamente sob a tração de um peso, eles podem ser facilmente estendidos além do limite se a amplitude de movimento for limitada. A extensão excessiva de um tendão ou ligamento pode resultar em uma distensão ou torção e interferir seriamente no seu plano de treino. Mas se você alongar primeiro as áreas envolvidas, o corpo irá ajustar-se à medida que a resistência pesada forçar as estruturas envolvidas.

A flexibilidade também aumentará se os vários exercícios forem executados adequadamente. Um músculo pode contrair-se, mas não pode alongar-se sozinho: ele tem que ser alongado pela tração de um músculo oposto.

Quando você treina com uma amplitude de movimento completa, o músculo que está contraindo alonga automaticamente o seu oposto. Por exemplo, quando você realiza roscas, o bíceps contrai-se, e o tríceps alonga-se. Quando você realiza extensões de tríceps, ocorre o contrário. Utilizando técnicas que empregam a amplitude de movimento completa, você aumentará sua flexibilidade.

Mas isso não é suficiente. Os músculos contraídos contra-resistência pesada tendem a encurtar com o esforço.

Portanto, recomendo o alongamento antes do treino – para permitir que você treine mais duro e com mais segurança – para estender aqueles músculos tensos e cansados.

Você pode preparar seu treino realizando qualquer quantidade dos exercícios de alongamento padrão a seguir.

Poderia considerar a possibilidade de fazer aulas de ioga ou alongamento. Muitos culturistas sentem que esse esforço extra dedicado à flexibilidade não é necessário; mas outros, como Tom Platz, valem-se muito do alongamento para melhorar seu treino. Quando Tom está fazendo aquecimento para uma sessão de treino, com aquelas pernas colossais entrelaçadas como tranças debaixo dele, é quase inacreditável de se ver. Ele destina a primeira parte do seu treino para as panturrilhas (gêmeos) alongando-as o máximo possível, muitas vezes

utilizando pesos muito pesados, porque sabe que, quanto mais elas forem alongadas, mais fibras ficarão envolvidas na contração.

Mas tão importante quanto alongar antes e depois de uma sessão de exercícios, também é essencial realizar certos tipos de alongamento durante o treino. Assim como recomendo flexionar e fazer poses com os músculos

entre séries, também aconselho a alongar certos músculos entre uma série e outra. O grande dorsal, por exemplo, beneficia-se do alongamento cuidadoso intercalado com várias flexões de braço na barra fixa e puxadas por trás. Você perceberá que incluí alongamentos em vários exercícios em que senti que alongar-se seria particularmente benéfico.

A. Schwarzenegger – realizar supino oito vezes com 181 kgs adicionais exige muito esforço e concentração Afinal, são detalhes como esses que diferenciam os campeões, e a diferença será imediatamente visível quando você posar no palco durante uma competição. A diferença não estará somente na sua aparência — a capacidade máxima de separação e definição – mas também aparecerá na graça e na segurança da sua apresentação. Culturistas como Ed Corney, conhecido como o que talvez faça as melhores poses no culturismo moderno, jamais poderiam mover-se com tamanha beleza se seus músculos, tendões e ligamentos fossem rígidos e contraídos.

Não recomendo despender tempo e energia em excesso alongando, a menos que você tenha um problema grave de flexibilidade ou esteja tentando reabilitar uma área lesionada. Para bons resultados, penso que despender aproximadamente 10 minutos realizando 10 exercícios básicos de alongamento para os músculos maiores, antes e após o treino, seja o suficiente.

O alongamento requer movimentos lentos e brandos em vez de rápidos e vigorosos. Quando se submete um músculo ou tendão a um stress repentino, ele contrai-se para se proteger, destruindo assim o seu objetivo.

Por outro lado, se você alongá-lo cuidadosamente e sustentar essa posição por 30 segundos ou mais, o tendão gradualmente relaxará e você ganhará flexibilidade.

Recomendo que você despenda 1 minuto em cada um dos exercícios a seguir. Contudo, isso deve ser considerado o mínimo. Quanto mais tempo levar alongando, mais flexível ficará.

Ganhe Dinheiro clicando os melhores PTC

novembro 15, 2010

DonkeyMails.com: No Minimum Payout

Member Benefits

  • All Countries Accepted!
  • Paid To Click
  • Paid To Read
  • Paid To Sign up
  • Lots Of Contests!
  • Great Bonuses When You Join!
  • 10 cent Min. Cash Out For Standard
  • NO Min. Cash Out For Upgraded
  • Recycle Inactive Refs! (Currently FREE To Recycle)
  • Earn up to $0.01 per click
  • Earn up to $0.01 per referral click
  • Instant Payments and Receiving System
  • Detailed statistics of your referral clicks
  • Payments via Alertpay, PayPal, Liberty Reserve, Route Pay, Perfect Money
  • Profesional Support
  • Payouts via Paypal/Alertpay/Liberty Reserve and Paybox.me
  • DonkeyMails.com: No Minimum Payout

Advertiser Benefits

  • Always Low Advertising Prices
  • FREE Ad Credits When You Join!
  • Many Ways To Advertise
  • 24/7 Hits
  • 24/7 Live Stats
  • Country Targeting
  • Fast Order Process
  • Weekly Buy One Get One Free Offers
  • PayPal & Liberty Reserve Accepted
  • Advertise with us!

National Amateur Bodybuilding Association NABBA INTERNACIONAL – Manual NABBA de Musculação

julho 5, 2010

CATEGORIAS OFICIAIS DE COMPETIÇÃO NABBA:

  • CLASS 4 – atletas com estatura até 1,65m
  • CLASS 3 – atletas com estatura até 1,72m
  • CLASS 2 – atletas com estatura até 1,79m
  • CLASS 1 – atletas com estatura acima de 1,79m
  • JÚNIOR – atletas com a idade até 21 anos completos ou não
  • MASTER – atletas com 40 anos ou mais
  • BODYBUILDING FEMININO – única, atletas de musculação feminina
  • FIGURE CLASS 2 – atletas femininas com estatura até 1,63m
  • FIGURE CLASS 1 – atletas femininas com estatura acima de 1,63m
  • MISS FITNESS – categoria feminina única.

A Nabba Internacional tem estas categorias como oficiais em eventos de nível mundial, porém ela permite que as filiadas dividam as categorias da maneira que entendam ser bom para seu país. Caso a filiada opte por outra forma de divisão, quando seus atletas forem competir internacionalmente terão que seguir as regras internacionais. Por exemplo, a NABBA USA faz as categorias: Master I acima de 40 anos, a Grand Master acima de 50 anos, a Ultra Master acima de 60 anos, mas quando seus Masters competem internacionalmente somente há a categoria acima de 40 anos.

Categorias podem ser ajustadas, dependendo do número de participantes. Categorias e divisão de categorias são submetidas a mudanças com aprovação da NABBA e do organizador do evento.

O OBJETIVO É SELECIONAR OS MELHORES BODYBUILDERS, SENDO QUE ISTO OCORRE EM TRÊS ETAPAS ou "ROUNDS":

  • QUARTO DE VOLTA – em linha Frente, Costas e ambos os Lados.
  • ROTINA INDIVIDUAL
  • COMPARAÇÕES

DIVISÃO DA COMPETIÇÃO:

PROVAS PRÉVIAS:
Todos os atletas inscritos no evento competem nas prévias, sendo que as prévias NABBA são compostas de:

Quarto de volta – semi relaxados – todos fazem as poses de quarto de volta: frente, lado, costas, lado e frente. Terminada esta etapa todos saem do palco. Quando estes procedimentos são finalizados e os juízes estão satisfeitos, encerra-se a etapa.

Rotina Individual – os atletas entram um a um no palco, pois são chamados individualmente ao centro para 1 minuto de poses com música.

Comparações – Poses: todos os atletas da categoria são divididos em grupos de no máximo 6 atletas e são chamados para fazer as 8 poses compulsórias, sendo que poses adicionais podem ser solicitadas, caso o árbitro central julgue necessário. Uma vez satisfeito o painel de árbitros, é finalizado o Pré Julgamento.

FINAIS:
Nas finais NABBA entram todos os atletas da categoria que competiu nas prévias e fazem 1 minuto de Posedown. Depois os 6 finalistas são anunciados e saem do palco. Os demais recebem medalha de participação e saem. Os seis classificados são chamados de volta ao palco e se apresentam da seguinte forma:

Rotina Individual – Em 90 segundos, com música à escolha do atleta, ele faz uma apresentação individual com poses de sua escolha.

Posedown – são chamados os 6 (seis) finalistas e têm 1 minuto de poses livres, confrontando-se.

Premiação – Terminado o Posedown, os atletas recebem sua premiação.

POSES DA NABBA:

OFICIAIS:
1.    DE FRENTE DUPLO BÍCEPS
2.    DE FRENTE EXPANSÃO DE DORSAIS
3.    DE LADO PEITORAL
4.    DE COSTAS DUPLO BÍCEPS
5.    DE COSTAS EXPANSÃO DE DORSAIS
6.    DE LADO TRÍCEPS
7.    DE FRENTE ABDOMINAIS E COXAS
8.    O MAIS MUSCULOSO – TRAPÉZIO
9.    DUPLO GÊMEOS CONTRAÍDO
10.  MÃOS NO QUADRIL – MAIS MUSCULOSO
11.  CONTRAÇÃO DE COXA – DIREITA E ESQUERDA
12.  MÃOS ATRÁS DAS COSTAS – MAIS MUSCULOSO
13.  SERRÁTIL E OBLÍQUOS – AMBOS OS LADOS
14.  CONTRAÇÃO DE POSTERIORES DE COXA – COSTAS E LADO
15.  MÃOS ACIMA DA CABEÇA "POSE DA VITÓRIA" – DE FRENTE E DE COSTAS.

REGRAS E REGULAMENTOS:

1.    QUALIFICAÇÃO DE ATLETAS PARA NABBA – É definido como "Amador" qualquer atleta que não tenha competido por prêmio em dinheiro em competições sancionadas por qualquer federação. Com base nesta regra, todos os atletas competindo na NABBA devem ser amadores.

2.    Cada competição NABBA consistirá de uma ou mais categorias com distinção por Estatura ou Peso Corporal. O método de contagem será o sistema de colocação, onde atuam 5 ou 7 árbitros e onde a classificação mais alta e a mais baixa são cortadas. Quando usado um painel de 9 árbitros, as duas notas mais altas e as duas mais baixas são cortadas para o cálculo de cada colocação final do disputante. Empates devem ser resolvidos pelo sistema de colocação mais baixa ou pelas primeiras colocações.

3.    Trajes de posar são da escolha do competidor, de preferência em cores sólidas, opacas, destituído de bordado, faixas, marcas ou outros emblemas.

4.    O uso de bronzeadores, loções de bronzeamento, cremes, óleos ou outros produtos realçadores é aceito, tanto nas prévias quanto nas finais. Na ocasião do evento, a pedido da organização, o uso de qualquer produto pode ser proibido. Neste caso, os atletas devem ser notificados.

5.    Um tape cassete ou CD é exigido de cada atleta para sua apresentação. O tape deve ser entregue pelo atleta ao iniciar sua rotina de poses. É vantagem para o atleta selecionar a música de maneira que realce dramaticamente a apresentação de poses livres. Palavras ou letras na música não devem ser profanas ou ofender.

6.    Todos os atletas, dirigentes e árbitros participantes de um evento da NABBA devem ser registrados como membros da NABBA. Membros recebem um cartão de identificação, correspondência, boletim informativo e o direito de participar de eventos NABBA.

DESQUALIFICAÇÃO E SUSPENSÃO:

Os competidores estarão sujeitos à desqualificação de suas colocações na competição e perda da qualificação para competições futuras, ou seja, suspensão, por falta de espírito esportivo – desqualificação por um ano, a partir do momento da suspensão.

JULGAMENTO – ARBITROS e PROCEDIMENTOS de PONTUAÇÃO:

1.    ÁRBITRO CENTRAL – deverá ser qualificado, experiente e capaz de conduzir a competição e supervisionar o painel de árbitros. O árbitro central será responsável por toda a comunicação entre os árbitros e os competidores. O árbitro central normalmente não vota, a menos que haja um número insuficiente de árbitros presentes.

2.    ÁRBITROS DE PONTUAÇÃO – O painel de árbitros consistirá de número impar, nunca inferior a 5 árbitros. Cada um deve ser qualificado dentro de sua federação e deve ser examinado pelo Comitê de Julgamento da NABBA. As folhas de pontuação serão minunciosamente examinadas para observar o desempenho de cada árbitro no julgamento.

3.    PONTUAÇÃO – competidores em cada categoria serão pontuados e classificados por cada árbitro de acordo com o critério de julgamento específico para cada categoria de competição.Não são todos os competidores que são julgados, somente 10. O número de competidores que são oficialmente julgados deve ser equivalente ao número de prêmios a serem entregues, mais 2. Ou seja, se uma categoria tem 6 prêmios, devem ser classificados 8 competidores, não sendo ranqueados os seguintes.

4.    Se 7 (sete) árbitros estão atuando, a nota mais alta e a mais baixa serão cortadas. Se forem 9 (nove), as duas notas mais altas e das duas mais baixas serão cortadas.

5.    Para determinar o Overall de uma competição, com categorias, os vencedores de cada categoria devem ser agrupados para o quarto de volta:

Etapa 1 e poses oficiais
Etapa 2. Poses compulsórias opcionais podem também ser solicitadas pelo árbitro central, para mais comparações. Cada competidor do Overall deve ser classificado conforme o ponto 4, acima.

COMPETIÇÃO FÍSICA – CRITÉRIOS DE JULGAMENTO:

Os critérios usados para julgar uma competição são baseados em três aspectos: MUSCULARIDADE – SIMETRIA e APRESENTAÇÃO.

MUSCULARIDADE
É o tamanho dos músculos em relação à estrutura esquelética, formato dos músculos, qualidade dos músculos, músculos sólidos, densos. Também inclui a separação entre músculos adjacentes e a grupos musculares, estriação dentro do músculo ou grupo de músculos, com mínimo de gordura e água entre a pele e o músculo, realçando a aparência muscular.

SIMETRIA
Estrutura harmônica de um físico relativo ao tamanho de várias partes corporais, forma, proporção, destaque e equilíbrio de cada parte corporal uma em relação à outra, resultando um todo coeso e equilíbrio geral.

APRESENTAÇÃO
A Apresentação é mostrar de forma vantajosa a habilidade de posar, postura, projeção e presença de palco. São partes importantes da Apresentação: tom de pele, preparação e traje de poses. Podem realçar a rotina da Apresentação: a seleção de poses e sua correta execução, a suavidade da transição e a seleção coordenada da música.

OBS.: A coreografia não deve contar para a classificação do atleta. Este quesito apenas mostra que, quando o atleta consegue posar bem e mostrar melhor seus músculos, tem vantagem.

FIGURE – NABBA:

§    A ênfase deve ser dada à forma e proporção feminina, enquanto treinada e com moderado nível de gordura, não podendo levar a definição ao extremo. A atleta não deve ter o grau de desenvolvimento, definição, separação e estriação de uma competidora de bodybuilding feminino.

§    O julgamento será conduzido em três etapas. A cada competidora na categoria será dada uma classificação, com base total dos critérios julgados.

§    O promotor do evento tem o direito de especificar o tipo de vestimenta a ser usada pelas atletas, podendo ser limitada a maiô ou biquíni de 2 peças e sapato de salto alto. As competidoras devem conferir antes com os promotores qual será o traje determinado para o evento. A vestimenta deve ser escolhida de maneira que mostre melhor a forma e o condicionamento da atleta. O traje pode ser de cor sóbria ou multicolorido, bordado, ornado com pedrarias, lantejoulas ou borlas. O uso de maquilagem ou jóias é opcional e de escolha da atleta. Sapato de salto alto é padrão para as etapas 1 e 3. A aplicação de óleos para brilho do corpo pode se permitida.

ETAPA 1 – SIMETRIA – QUARTO DE VOLTA:

Todas as competidoras da categoria devem estar no palco em linha (reta ou curva) e em ordem numérica, todas de frente para os árbitros, na posição semi relaxada, com os tornozelos se tocando. O árbitro central instruirá as competidoras em grupo para executarem uma série de quarto de volta, permitindo aos árbitros observá-las de frente, de lado, de costas e novamente de lado, antes de retornarem à posição de frente. Quando os árbitros completam seu trabalho a Etapa 1 está concluída.

ETAPA 2 – ROTINA INDIVIDUAL – POSES LIVRES:

Cada competidora terá 90 segundos para exibir sua forma, condição física, carisma e habilidade de apresentação através da etapa de poses livres. A rotina deve ser uma criação artística, hábil e graciosa e deve incorporar algumas das poses obrigatórias de exposição do FIGURE. A apresentação não deve ser de Fitness, nem conter movimentos de aeróbica, nem poses de bodybuilding. O Figure não permite poses com punhos fechados, as mãos devem estar abertas nas poses. Durante a apresentação da rotina a atleta deve usar biquíni e estar descalça. Competidoras e árbitros devem ser lembrados de que uma apresentação graciosa e empolgante é um fator importante, mas o aspecto essencial da competição é o critério aplicado ao julgamento FIGURE que foi abordado acima.

ETAPA 3 – COMPARAÇÕES:

Esta é a etapa das poses de comparação. Voltam todas as atletas ao palco e são chamadas em grupo pelo árbitro central para executar as seis poses obrigatórias, sendo que deve haver tempo suficiente para as competidoras manterem as poses, a fim de que os árbitros possam avaliá-las e tempo para descansar entre cada exposição. As poses são:

  1. De frente exposição de braços acima da cabeça.
  2. De lado exposição peitoral
  3. De lado exposição tríceps
  4. De costas exposição de braços acima da cabeça
  5. De frente abdominais.

As poses, ou melhor as exposições do físico, são realizadas com as atletas de BIQUINI e salto alto. Também nesta etapa, competidoras e árbitros devem ser lembrados que apresentar-se de maneira graciosa e empolgante são fatores importantes, mas o aspecto mais importante é o critério aplicado ao julgamento FIGURE que foi abordado acima.

História da NABBA

julho 3, 2010

1901: Este ano é o primeiro de uma competição organizada bodybuilding da Europa, quando um ditador alemão famoso, Eugene Sandow, julgado um evento no Royal Albert Hall em Londres. O evento atraiu uma figura de presença em excesso de 2.000.grimek
1906: A Saúde e Força do campeonato foi formada em uma noite de inverno, em Dezembro por um grupo de entusiastas que desejam exercer todos os aspectos da cultura física. O campeonato foi tirada de uma revista de fitness com o mesmo nome – o primeiro publicado em 1894.
1930: A primeira MR & Miss Grã-Bretanha do título foi realizada. Este evento inaugural causou um grande aumento na adesão e em 1936 apenas 11.398 novos membros inscritos. A organização tornou-se em todo o mundo e teve um lema «teu corpo sagrado, mesmo que a tua alma" inscrito no seu emblema a adesão. Em 1943 o campeonato teve um escalonamento 191 mil membros.
1948: Saúde e Força revista organizou o primeiro concurso de MR Universo para comemorar os Jogos Olímpicos realizados nesse ano em Londres. Ganhou por John Grimek, duas vezes vencedor do MR-americanos que já tinha representado o E.U.A. como um levantador de peso no Jogos Olímpicos de 1936.
1950: NABBA foi formado. MR Universo daquele ano foi vencido pelo MRreeves América Steve Reeves, que mais tarde passou a fazer mais de trinta filmes de Hércules. No ano seguinte, quando venceu Reg Park, um dos concorrentes era um jovem do Canadá, Joe Weider.
Nos anos que se seguiram à fisiculturistas top mundial veio para a Inglaterra para tentar ganhar o título do Universo. Nomes famosos como John Grimek, Steve Reeves, Bill Pearl, todos os americanos, faziam parte de um grupo que também incluía Reg Park, Inglaterra e Arnold Schwarzenegger, na Áustria, quatro vezes vencedor do Universo. Estes 5 foram os vencedores mais influentes, que mais tarde tornou-se a lendas do universo.
1955: O falecido OSCAR Heidenstam foi nomeado secretário em tempo integral e se tornou a principal força motriz na NABBA por mais de trinta anos.
1984: Em uma reunião em Londres NABBA International foi criada e tornou-se anfitrião do Europeu, Campeonato Mundial e do Universo. Este ramo da NABBA agora é suportado por mais de cinqüenta países.
Presente Dia: Reino Unido Estrutura: dez representantes eleitos área de Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, compõem o conselho NABBA. Cada área possui um evento de qualificação, o que leva a MR anual e Miss Grã-Bretanha Finals – realizada na Opera House, Blackpool. Por sua vez, torna-se um qualificador para o Campeonato Europeu e do universo. O concurso Universo fica mais forte a cada ano. No últimos representantes Universo eventos de todos os países da Europa participaram, além de atletas da África do Sul, Austrália e Nova Zelândia, Filipinas, América do Norte Canadá e América do Sul – um total de mais de 200 atletas competindo.
O trabalho duro por parte dos funcionários superiores e uma força voluntária de membros (no Universo há normalmente mais ajudantes cinqüenta), garante que esse progresso continue.
pearl1998 comemoramos cinqüenta anos da NABBA Universe – um período de tempo que fez a federação mais antigas e estabelecidas na história do fisiculturismo. Em um jantar de comemoração em Birmingham, Inglaterra, centenas de pessoas assistiram à maior noite da história da NABBA. Mais de trinta ex-campeões do Universo, homens e mulheres, estavam presentes, incluindo lendas NABBA Steve Reeves, Bill Pearl, Reg Park e Mickey Hargitay. park
Apesar da mudança dos tempos NABBA continua a ser um doce, organização dinâmica atleta orientada com um monte de aspirações para o futuro.
Acreditamos que o dedicado atleta que trabalham duro, não só merece correr profissionalmente as competições com juízes qualificados, mas também o reconhecimento, a publicidade ea respekt.
Acreditamos que o esporte de fisiculturismo é um meio ideal para a realização de aptidão física total e perfeição corporal. É uma força construtiva para o desenvolvimento da disciplina da mente, bem como do corpo.
legendsAcreditamos que esta disciplina deve encontrar expressão não apenas nos hábitos de boa saúde e exercício físico planejado, também acreditamos na vida limpa, espírito esportivo e nas relações correto e cordial entre os concorrentes, funcionários e administradores.

     

Competidores


Nós, os bodybuilders, percebendo que a nossa conduta reflete o bom nome do esporte do bodybuilding, e realizando assim a responsabilidade colocada em cima de nós, comprometemo-nos:
 

1. Para cumprir a nossa responsabilidade perante a sociedade, aos nossos treinadores, e aos funcionários e administradores da NABBA.

2. Para honrar, dignificar e apoiar o esporte de fisiculturismo, competindo com o melhor de nossa capacidade, e estar em forma superior ao dar uma exposição ou um seminário.
 
3. Para respeitar os nossos adversários em igualdade de condições com o espírito de rivalidade amigável e desportivismo.

4. Para respeitar as regras da concorrência e observá-los com honestidade, em cooperação com os funcionários.

5. Para aceitar as decisões dos juízes no espírito esportivo, sem descer a recriminações egoísta, percebendo que as decisões foram tomadas de forma honesta e objetiva.

6. Para continuar a busca da perfeição corporal e corrigir os princípios morais.

7. Para honrar a confiança especial que nos foi conferido pela nossa participação e representação do nosso país, e para aderir às normas de conduta pessoal espera de nós.
 
8. Para reconhecer o valor de musculação e promover o seu futuro, servindo como exemplo para inspirar outros jovens a participar.

9. Para colaborar com nossos administradores no desenvolvimento de padrões elevados, tanto moral quanto física, para o esporte de fisiculturismo e na promoção progressiva dos objectivos da NABBA:

10. Se esforçar para eliminar o uso de drogas no esporte.

Funcionários


Nós, os funcionários, percebendo que nossas ações e decisões de juízes, etc, refletir sobre o bom nome do esporte do bodybuilding, e realizando assim a responsabilidade colocada em cima de nós, comprometemo-nos:

1. Para aplicar honesta, imparcial e objetiva todas as regras que controlam a competição.

2. Para salvaguardar os interesses de todos os concorrentes em igualdade de condições.
 
3. Para colaborar, fornecendo as melhores condições possíveis para os concursos para a prestação dos concorrentes, funcionários e administradores.

4. Respeitar os sentimentos e impulso competitivo da bodybuilders, e dar subsídios para as suas emoções intensificadas no calor da competição.

5. Para respeitar as exigências de uma administração eficaz e cooperar de bom grado e prontamente com os administradores nomeados oficialmente.

6. Para cooperar com os controladores das competições, tornando as decisões de forma clara e rapidamente, e em conformidade com os requisitos do concurso ou processo de julgamento.
 
7. Abster-se de tentar influenciar as decisões de outros juízes ou funcionários, e respeitar as suas opiniões e decisões individuais.

8. Para honrar a confiança especial que nos foi conferido pela nossa selecção de juízes ou funcionários, e para aderir às normas de conduta pessoal espera de nós.

9. Para colaborar com o nosso bodybuilders e administradores no desenvolvimento de padrões elevados, tanto moral quanto física, para o esporte de fisiculturismo e na promoção progressiva dos objectivos da NABBA.

Mulheres lindas

julho 3, 2010

Mais imagens de lindas mulheres  saradas para um incentivo nos treinos. Melhores e mais fortes, as mulheres que sabem o que realmente querem, ficam cada vez mais belas,sexy e ao mesmo tempo mais definidas, sem ficarem masculinizadas. Corpo firme e tonificado são com elas mesmas! Confira:

gatas-gostosas-do-esporte-01 gatas-gostosas-do-esporte-02 gatas-gostosas-do-esporte-03 gatas-gostosas-do-esporte-04 gatas-gostosas-do-esporte-05 gatas-gostosas-do-esporte-06 gatas-gostosas-do-esporte-07 gatas-gostosas-do-esporte-08 gatas-gostosas-do-esporte-09 gatas-gostosas-do-esporte-10 gatas-gostosas-do-esporte-11 gatas-gostosas-do-esporte-12 gatas-gostosas-do-esporte-13 gatas-gostosas-do-esporte-14 gatas-gostosas-do-esporte-15

 

 

Mulheres Musculosas

julho 2, 2010

 

 

 

Coxas e glúteos maiores e mais fortes

julho 1, 2010

Glúteos e coxas saradas.

Glúteos e coxas saradas.

Em resposta as questões da Silvia segue um exemplo de rotina de treino intenso para aumentar as coxas e o bumbum rapidamente! São 3 fáceis (nem tanto) passos para garantir uma bunda maior e coxas bem torneadas.

1º Conheça a antomia completa dos glúteos e pernas. Isso ajuda a entender como treinar para ter o máximo de desenvolvimento destes músculos.

Anatomia das Pernas - frente

Anatomia das Pernas – frente

Anatomia das Pernas - posterior

Anatomia das Pernas – posterior

Conheça os exercícios idéais para se ter coxas e bumbum fortes e definidos.

  • Agachamento
  • Leg Press
  • Cadeira Extensora de pernas (cadeira romana)
  • Flexão de pernas
  • Stiff leg deadlift

Saiba quanto e quando treinar.

Se você é iniciante deve começar com o mínimo de peso para fazer entre 10 a 15 repetições. Com no máximo 2 series por exercício. Descansando cerca de 1 minuto entre as séries. Fazendo esta rotina cerca de 2 vezes por semana.Isso é apenas uma sugestão.Consulte um profissional para ajuda-lo e evitar problemas físicos.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.